Série: Meu irmão

Resenha  – Série: Meu irmão

por: Caroline Moreira

ele_e_lindon_mas_e_meu_irmao_1482362269542542sk1482362269b gostaria_de_tela_em_minha_cam_1463751213585516sk1463751213b

Sinopse: Quando cheguei à porta, não acreditei no que vi, ele estava parado a minha frente com uma blusa azul um pouco mais escura que seus olhos. Calça jeans apertada e sapato social. Não havia mudado muito, tirando o fato de estar mais lindo do que nunca. Havia deixado o cabelo crescer um pouco mais, era uma visão do paraíso, mas era meu irmão. 

Antes de fazer a resenha, certa do que eu iria dizer e das minhas opiniões, procurei outras para ver se apenas eu, aparentemente, não tinha gostado. Vamos pular a parte do incesto que, a meu ver, já é algo para lá de bagunçado nessa história toda, mas esperava que algo pudesse tornar a obra o menos desagradável possível. Antes de tudo, agradeço a autora por disponibilizar o livro e desejo toda sorte para ela no mundo literário, porém, meu Deus, torço para que as resenhas endeusando esse tipo de livro não sejam nem de longe a opinião da maioria dos leitores brasileiros.

Para vocês terem uma ideia do que estou falando, vocês já tiveram acesso ou puderam ler uma fanfic de má qualidade? A linguagem usada no livro é como uma história dessas, somada ao fator incesto (bem típico de algumas fanfics non-sense) e com alguns erros pelo caminho, seja de digitação ou gramatical mesmo. Como os dois livros são bem curtos, a maioria das páginas são preenchidas por diálogo, a descrição tanto de acontecimentos ou pensamentos costuma ser bem escassa e quando acaba por se estender um pouco mais, lá vem uma repetição desnecessária, como se o enredo não tivesse outra coisa para ser desenvolvido.

Aí caímos em outro ponto negativo, claro, na minha opinião, que é simplesmente o fato de não acontecer nada. Carol, como assim? Os dois livros, pra mim, são basicamente a mesma coisa, a mesma fórmula errada! No primeiro, ela se vê apaixonada pelo seu irmão, e incrivelmente, ele também sente a mesma coisa… e rola toda aquela sensação de culpa e de estar fazendo algo errado, PORQUE SIMPLESMENTE É, ORAS. Porém, nem sei se isso é spoiler, porque é facilmente deduzido no decorrer da leitura, uma grande revelação: eles são apenas irmãos de criação. Isso é um sonífero para mim, porque eu vivia percebendo isso em enredos de novela milhares de vezes, vocês não? De qualquer forma, prosseguindo, o clímax, se é que podemos chamar isso de clímax, é quando a garota foge porque o irmão iria fugir, já que não conseguiria viver perto dela. Ah, o amor…

Se eu ver um dedo dele encostado nela… Eu arranjo um facão e decepo os braços dele. Eu cuido do que é meu… e Natalie é minha… Mesmo ela não sabendo disso ainda… Minha… Só minha…

O segundo livro aborda essa fuga e a busca desesperada do irmão pela irmã, e acredite, isso dura o livro TODO, mas não para por aí, não. Acredite, tem mais. Se você gosta de ler algo erótico bem estilo menino de doze anos saindo escrevendo relações sexuais, vá em frente. Ou o livro está tratando as questões de “oh, isso é errado” ou está falando de sexo. O mais interessante: eles se amam, mas só transam. Incrível, não tem pausa nem para respirar, SÉRIO. Vocês não tem ideia, ela some porque fizeram sexo, ele encontra, eles fazem sexo. Não tem um desenvolvimento do tal “romance” entre eles, mesmo que se conhecessem desde criança… O que torna tudo ainda mais bizarro, eles deveriam fazer algo além disso, afinal, eles assumem e confessam constantemente que amam um ao outro.

Além de que, algo que considerei bem aleatório: eles sentiam que podiam fazer aquilo e que não eram irmãos de verdade. Com a tal revelação, eles ficaram pasmos, agora tudo estava explicado! Por isso, sempre sentiram atração um pelo outro, além de pervertidos apaixonados, eles só podem possuir um sexto sentido fora do comum. Tem como piorar? O irmão dela é possessivo, vou deixar uns trechos do livro para perceberem isso, mas eu não sei no mundo de vocês, entretanto, eu não gosto disso e não acho “ok” numa relação e num personagem. Agora, vamos à questão: o final foi bom? Ele sofreu um acidente e logo que teve alta fizeram o quê? Sexo. Gente, não me considerem puritana, pelo amor de Deus, estou longe disso, é que não havia história de amor ou espaço para isso no enredo. Não me lembro exatamente do que houve no fim, mas a ideia é para ser uma trilogia até onde sei…

E pare de dar piti que você é macho.

Temos mais coisas para falar? SIM. Porque sou chata. E porque realmente não sei como alguém pode dizer “gostei, é ótimo”. Os diálogos são previsíveis, a descrição é rasa e o conteúdo é maçante e clichê, e clichê muito mal trabalhado, porque eu até curto um clichezinho de vez em quando, quem não curte? O problema aqui é o que estamos lendo e o pior, o que as pessoas estarão entendendo com isso. Ué, como assim, Carol? Fui no site da editora, visto que o primeiro livro está a venda e fala com essas palavras “a impressão que a obra nos passa é que o amor e a atração por alguém pode surgir onde menos esperamos. Cabe a nós mesmos passarmos por cima dos tabus e preconceitos para refletirmos que onde há um resquício de amor verdadeiro vale à pena investir.” Eles são irmãos de criação, mas que isso em um livro que fala de incesto como algo normal (até porque transaram antes de descobrirem serem irmãos de criação) é bem bizarro, não acham? Até porque o título também é bem sugestivo.

Se fosse para citar um ponto forte ou algo que gostei na obra, diria os personagens secundários. Nem lembro os nomes, mas também formavam um casal e eram compostos pelos melhores amigos dos dois ou algo assim. Talvez por serem menos irritantes e aparecerem menos não me causaram tanto problema, já a família dela e a sua rotina, a construção do cenário e o desenrolar da história foi fraco, subestimado e infelizmente, não conseguiu me prender nem surpreender. Sequer me arrancou alguma emoção a não ser um certo tipo de aversão à obra. Bom, mas para quem discordar de mim, acontecerá o lançamento em 2017, na Bienal do RJ e vocês podem conferir o livro lá.

Mas e vocês, diante de tudo isso, que não é pouca coisa e foi até complicado escrever, já tiveram a oportunidade de ler? O que acharam? E quem não leu, leria?

carol eu

 

 

Dona de 18 primaveras. Feminista. Estudante de Pedagogia. Amante de MPB, animes, k-pop, doramas e uma boa xícara de café. Não vive sem livros, filmes ou maquiagem. É apaixonada por Fred Elboni e quer proteger todos os animais do mundo 🌸

 FacebookInstagramSkoobTwitterFlickr

Anúncios

57 comentários em “Série: Meu irmão

  1. Cáh, sua resenha esta bem escrita e adorei como foi sincera. Eu gosto de hot, mais com romance e esse lance de irmãos não me cativa não, chegou dar repulsa. Se eles tivessem feito depois da descoberta de não serem irmãos de sangue tudo bem, mais você disse que é antes, que horrível. Parabéns pela sinceridade, com certeza esse estará longe da minha lista. Bjos da Mai 💕

    Curtido por 1 pessoa

  2. Olá!
    Adorei sua resenha, a forma com que escreve e coloca sua opinião sincera.
    Bem, esse tipo de livro não me atrai muito, mas ultimamente vejo muitos livros desse gênero e mais pessoas interessadas.
    Eu particularmente, não consigo gostar, acho essas histórias sempre iguais.

    Parabéns pelo blog ❤

    Vim por recomendação do grupo TDS.
    Beijo, beijos
    Aline
    relicariodehistoriasma.blogspot.com

    Curtido por 1 pessoa

  3. Oiiie Carol! Adorei sua resenha e como você opina sobre a história. Eu vou no comentário sobre o livro Proibido porque aquilo realmente é incesto, mas a forma como a autora mostra os reais motivos do que aconteceu é diferente, porque você entende o que pode ter dado razões para aquilo. Mas quando algo que realmente é tratado como romance e comum acho que temos que analisar aquilo.
    Eu adorei sua opinião! Parabéns!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Isa! Finalmente, alguém que me explicou como “Proibido” é. Com certeza, há um desenvolvimento diferente e aborda melhor a temática. Ainda quero ler ele para poder opinar. Pode trabalhar incesto em livros, mas romantizar, para mim, é demais! Um super beijo e fico grata pelo comentário ❤

      Curtir

  4. Olá!!
    Adorei seu post! Eu gostei da resenha, e de como você sabe expressar bem a minha opinião. Não conheço o livro, talvez eu até pudesse ler, depois que eu li “Proibido” e a questão do incesto lá foi abordado de uma forma tocante e humana, não teria problemas com essa temática, o que me faz não querer ler esses livros da resenha é a questão da escrita e do mau desenvolvimento da obra. Acho que, mesmo quando não gostamos de um tema, se o desenvolvimento for ok, a linguagem ok, os personagens ok, a gente até consegue dar um crédito, né? Mas, diante do que você expôs, realmente parece não se ter muito o que aproveitar aqui.
    Parabéns pela resenha, realmente adorei!
    Vim por recomendação do grupo TDS.
    http://www.leituravorazblog.blogspot.com.br

    Curtido por 1 pessoa

    1. Primeiramente, agradeço pelo comentário maravilhoso! Concordo com você a respeito de que se o desenvolvimento for bom ou regular, a temática mesmo não agradando possa ser valorizada neste aspecto. Em relação ao livro “Proibido” creio que já vi a resenha e para mim, continuo com a linha de pensamento que incesto não deva ser romantizado. Ademais, agradeço pela opinião e já estou acompanhando seu blog! Um beijão ❤

      Curtir

  5. Acho que virou moda o gênero erótico né kk Eu até li alguns que são bons, mas acho que os autores perdem muito tempo com as cenas de sexo. E isso enjoa. Eu não gosto muito de romance, mas sinto que isso faz falta nesses casos. Eu provavelmente não lerei esse livro. Obrigada pelo toc kk
    E parabéns pela resenha 😉

    Curtido por 1 pessoa

  6. Esse é o tipo de livro que eu não leria,incesto,relacionamentos abusivos,machismo,submissão da mulher,etc,só mostra o quanto a autora quis passar repudio ao leitor.
    Respeito bastante todo tipo de escritor mas pelo que parece a mensagem que Nathalia transmitiu é totalmente errada e no minimo me me dá asco:(

    Curtido por 1 pessoa

  7. Eu nao gosto de livros que fazem apologia a incesto (mesmo q nao sendo”verdadeiro), a possessividade masculina, enfim a relacionamentos abusivos. Infelizmente, a maioria dos “romances” eroticos tendem a ter pelo menos umas dessas caracteristicas. E pasmem, sao feitos por MULHERES. O que me leva a crer que o machismo é muito mais enraigado do que pensamos. Mas enfim, nao lerei esse livro. Obrigada pela sisinceridade. Existem poucas blogueiras como voce, que tem coragem de dizer o que realmente sentiram ao ler. Parabens!

    Curtido por 2 pessoas

    1. Oi, Ingritt! É preocupante mesmo que sejam escritos por mulheres, e agora que estou lendo alguns livros do gênero que percebo os itens que citaste e infelizmente, é verdade! Obrigada por opinar e sempre tentarei ser honesta com vocês. Um beijão 🙂

      Curtido por 1 pessoa

  8. Parece ser repulsivo Rsrsrs.. Eu já tenho um certo Q de preconceito com livros que abordam ” amor entre irmãos ” e vc relatando que é mais sexo do que outra coisa Então, pronto Passo longe de uma obra dessas Parabéns pela sinceridade 😉

    Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s