Contos Sutilmente, Imersão e Caleidoscópio

Resenha – Contos Sutilmente, Imersão e Caleidoscópio

por: Caroline Moreira

nina spim

Os contos Sutilmente, Imersão e Caleidoscópio foram o meu primeiro contato com a escrita da autora, sendo assim, limitei-me a não criar expectativas e simplesmente permitir que a leitura fluísse. Com base nas descrições dos contos e na parte estética, estava realmente curiosa sobre como Nina Spim trabalharia temáticas tão complexas quanto a depressão e a deficiência visual e ainda assim nos traria um romance leve e nostálgico em tempos de escola. 

A acadêmica do curso de Jornalismo já se aventurou outras vezes no mundo literário, tendo participações em antologias promovidas pela Andross e Darda Editora e também fora dele sendo colaboradora nos sites CONTI outra, Revista Polén e HEADCANONS.

Antes de tratarmos cada conto em particular, necessito citar algumas das características presentes nos escritos. A escrita de Nina é metamórfica, pois ela consegue nos fazer enxergar sob a perspectiva de uma garota no colegial e suas primeiras experiências mas também através do olhar de um marido angustiado ao presenciar um quadro depressivo da pessoa que mais ama. Apesar de redigir os contos de uma forma tão distinta que possibilite ao leitor notar a mudança nos personagens e no contexto em que estão inseridos, existe a presença de particularidades, as quais são pontos em comuns em todos os textos lidos, como por exemplo, a maneira poética com que nos apresenta os contos. Além da poesia nas entrelinhas, outro aspecto frequente foram as descrições, linguajar acessível e frases de impacto que complementavam o conteúdo das obras, tornando a leitura um experimento ainda mais agradável.

Em “Sutilmente” o uso da descrição adquiriu um caráter quase enigmático, os parágrafos introdutórios nos davam a sensação de estar em uma filmagem onde a câmera está em primeira pessoa: vemos tudo e sentimos conforme os pensamentos de Giovana. Os seus olhos são os narradores e seguimos atentos em busca dos detalhes escondidos, aliás, ela foi uma das personagens que mais me cativou. Neste conto percebi uma dupla interpretação: afinal, a relação entre Laura e Giovana seria o início de uma amizade ou de sua primeira experiência com o amor? A meu ver, as duas possibilidades são palpáveis, mas julgo ser uma relação romântica que ambas não sabem lidar. Ainda. A presença de sentenças que beiram o ar poético e nos marcam são destaque nessa trama que apresenta o universo escolar com sua personalidade hostil e nada acolhedora e também as novas vivências neste lugar.

Eu ligo pras nuances daquilo que todo mundo ignora. Acho que é porque eu vejo cor onde não existe.

Já o conteúdo do conto “Imersão” reflete bem o seu título, percebemos um tema delicado e polêmico como a depressão sob uma nova abordagem. Caio, o marido de Lou, narra como foi a descoberta e presenciar a sua amada sendo desgastada pela depressão. O mais interessante deste texto foi o seu desenvolvimento, é breve como um conto deve ser mas tão bem redigido que nos envolve em suas sombras e mistérios de uma doença tão comentada, contudo da qual pouco se sabe de fato. A autora também nos mostra questões óbvias e traz simplicidade, salientando que a depressão não deve ser subestimada e sequer amenizada como se a vítima pudesse decidir quando sairá desse mundo sombrio e solitário. É realmente triste, em poucas páginas, somos transportados para uma realidade que nem todos estão preparados para enfrentar.

Tinha dito, certa vez, que não existiam mais motivos para pensar na morte, pois eu havia entrado em sua vida. Achei bonito – achei que fosse verdade. Era. Foi, até que a fragilidade inerente lhe tomou posse com mais força.

O último e meu favorito, “Caleidoscópio”, carrega aquela essência pueril e uma visão mais infantil que eu tanto aprecio. Desta vez, a temática apresentada é a deficiência visual de Daniel e de como Júlia, enquanto criança, tenta compreender esse mistério. Contemplado por lições valiosas e uma narrativa fenomenal, ele nos proporciona aquela sensação maravilhosa de quando as crianças nos dizem palavras sábias e tão importantes. Recordei-me até dO Principezinho! Sem dúvidas, o melhor conto!

– Infinito, Júlia. Eu sou infinito. O Universo é extenso, mas é apenas o que você pode ver. Existe um infinito bem maior dentro da gente – ele fala;

carol eu

 

 

Dona de 18 primaveras. Feminista. Estudante de Pedagogia. Amante de MPB, animes, k-pop, doramas e uma boa xícara de café. Não vive sem livros, filmes ou maquiagem. É apaixonada por Fred Elboni e quer proteger todos os animais do mundo 🌸

 FacebookInstagramSkoobTwitterFlickr

Anúncios

39 comentários em “Contos Sutilmente, Imersão e Caleidoscópio

  1. Oi Caroline.
    linguajar acessível e frases de impacto que complementavam o conteúdo das obras, tornando a leitura um experimento ainda mais agradável.
    Eu não conhecia os contos que você resenhou e achei bem interessantes. Sua opinião mostrou que eles são de conteúdo com linguajar diferenciado e frases de importante para refletir. Adoro ler contos e vou adicionar na minha lista de desejados.

    Bjos

    Curtido por 1 pessoa

  2. Nunca li nada dela. Eu já vi várias resenhas sobre os contos. Tive muita vontade de ler Sutilmente, mas sempre empurro para mais tarde. Mas o que é incrível de verdade… É a forma rica de como você falou sobre eles. Fiquei muito impressionada em como seu vocabulário é diversificado e em como sua resenha foi completa, instigante e impecável. Maravilhosa! Parabéns! Legal saber que ela é colaboradora no site CONTI outra. Eu simplesmente amo ele. Talvez até tenha lido algo dela e nem ter percebido que era ela a autora. Enfim… Você sempre sendo incrível. SUCESSO!

    Curtir

  3. Oi!!
    De todos os contos, sem dúvidas o que mais chama minha atenção é Imersão. Não só pela temática, mas também pelo ponto de vista.
    Obviamente quem tem a doença sofre mais, mas não deve ser nada fácil para quem é próximo da pessoa, então acho que esse colocar esse ponto de vista dessa vez foi uma escolha bem interessante é diferente.
    Dica anotada 🙂

    Curtir

  4. Olá !

    Eu sou meio chata para ler contos… uns não narram nada e outros narram rápido demais sem deixar a história completa. São raros os contos que li que foram completos.
    Eu adorei sua resenha e super me interessei nesses contos apesar de nunca ter lido nada parecido.

    Beijos
    Ler e Amar com a Dri

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s